quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

Paróquia São José - Paraisópolis (MG)

Horário de Missas e outros eventos
............................................................................................................................................................................










Tempo da Quaresma
............................................................................................................................................................................
Dia 27 - Quinta-feira
15h - Matriz
19h - Residencial 1     19h - Boa Vista 2
19h - Moreiras
.................................
Dia 28 - Sexta-feira
5h30 - Matriz - Missa penitencial
15h - Asilo São Vicente de Paulo
19h - Santa Luzia
........................................
Dia 29 - Sábado
19h - Matriz
19h - São Francisco      19h - São Geraldo
......................................................................................
Dia 1º - 1º Domingo da Quaresma
7h - Matriz      9h - Matriz
11h - Santa Edwiges
19h - Matriz       19h - Santo Antônio 
.......................................................................................................................................................................

Papa Francisco na Catequese desta Quarta-feira de Cinzas:

Quaresma,
tempo de se desligar do celular e se conectar com o Evangelho

Francisco disse ainda que a Quaresma "é o tempo de renunciar a palavras inúteis, conversinhas, fofocas, mexericos e se aproximar do Senhor. É o tempo de se dedicar a uma ecologia saudável do coração, fazer uma limpeza nele".
Mariangela Jaguraba - Cidade do Vaticano - “Quaresma, entrar no deserto.” Este foi o tema da catequese do Papa Francisco na Audiência Geral desta Quarta-feira de Cinzas (26/02), na Praça São Pedro.
“Hoje, iniciamos o caminho quaresmal, caminho de quarenta dias em direção à Páscoa, rumo ao coração do ano litúrgico e da fé”, sublinhou Francisco. “É um caminho que segue o de Jesus, que no início de seu ministério se retirou por quarenta dias para rezar e jejuar, tentado pelo diabo, no deserto.”
O deserto é o lugar da Palavra de Deus
A seguir, o Papa se deteve no “significado espiritual do deserto, o que significa espiritualmente o deserto para todos nós, também para nós que vivemos na cidade” e convidou os fiéis a imaginarem de estar num deserto. “A primeira sensação seria de estar envolvidos num grande silêncio: sem barulho, a não ser do vento e da nossa respiração”, disse ele.
O deserto é o lugar em que se toma distância do barulho que nos circunda. É ausência de palavras para dar espaço a outra Palavra, a Palavra de Deus, que acaricia o nosso coração como a brisa suave. O deserto é o lugar da Palavra, com letra maiúscula. Na Bíblia, o Senhor gosta de conversar conosco no deserto. No deserto, ele entrega a Moisés as “dez palavras", os dez mandamentos. E quando o povo se afasta Dele, tornando-se como uma noiva infiel, Deus diz: «Vou levá-la ao deserto e conquistar seu coração. Lá me responderá, como nos dias de sua juventude». No deserto, se ouve a Palavra de Deus, que é como um som suave.
Quaresma, tempo de se desligar do celular e abrir a Bíblia
“No deserto, encontra-se a intimidade com Deus, o amor do Senhor. Jesus gostava de retirar-se todos os dias para lugares desertos para rezar. Ele nos ensinou a procurar o Pai, que nos fala no silêncio”, disse ainda Francisco, acrescentando:
“A Quaresma é o tempo propício para abrir espaço à Palavra de Deus. É o tempo para desligar a televisão e abrir a Bíblia. É o tempo para se desligar do telefone celular e se conectar com o Evangelho. É o tempo de renunciar a palavras inúteis, conversinhas, fofocas, mexericos e se aproximar do Senhor. É o tempo de se dedicar a uma ecologia saudável do coração, fazer uma limpeza nele. Vivemos num ambiente poluído por muita violência verbal, por muitas palavras ofensivas e nocivas, que a rede amplifica.”
"Hoje, se insulta como se dissesse “Bom dia”. Somos submergidos de palavras vazias, publicidades e anúncios falsos. Nos acostumamos a ouvir tudo sobre todos e corremos o risco de cair num mundanismo que atrofia os nossos corações. Custamos para distinguir a voz do Senhor que nos fala, a voz da consciência, do bem. Jesus, chamando-nos no deserto, nos convida a prestar atenção no que interessa, no que é importante, no essencial."
O deserto é o lugar essencial
Ao diabo que o tentou, Jesus respondeu: “O homem não viverá somente de pão, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”. “Mais que o pão, precisamos da Palavra de Deus, precisamos falar com Deus: rezar”, disse ainda o Papa.
“O deserto é o lugar do essencial. Olhemos para as nossas vidas: quantas coisas inúteis nos circundam. Seguimos mil coisas que parecem necessárias, mas na realidade não são. Nos fará bem nos libertar de muitas realidades supérfluas a fim de redescobrir o que interessa e reencontrar o rosto de quem está ao nosso lado.” E sobre isso, Jesus nos dá o exemplo, jejuando. “Jejuar é saber renunciar às coisas vãs, supérfluas, para ir ao essencial. Jejuar não é apenas para emagrecer, jejuar é ir ao essencial, é buscar a beleza de uma vida mais simples”, sublinhou Francisco.
O deserto é o lugar da solidão
Por fim, o Papa disse que o deserto “é o lugar da solidão”. "Ainda hoje, perto de nós, existem muitos desertos, muitas pessoas sozinhas. São pessoas sós e abandonadas".
“Quantos pobres e idosos estão ao nosso lado e vivem em silêncio, sem fazer barulho, marginalizados e descartados!”
"Falar sobre eles não faz audiência. Mas o deserto nos leva a eles, àqueles que, em silêncio, pedem a nossa ajuda. Muitos olhares silenciosos que pedem a nossa ajuda. O caminho no deserto quaresmal é um caminho da caridade para com os vulneráveis. Oração, jejum e obras de caridade: eis o caminho no deserto quaresmal”, concluiu o Papa.
...............................................................................................................................................................
Assista:
...............................................................................................................................................................
Papa Francisco aos brasileiros:
Fortalecer o valor da vida
O Papa Francisco dirigiu sua tradicional mensagem aos fiéis brasileiros por ocasião do início da Campanha da Fraternidade, na Quarta-feira de Cinzas. "Somos chamados a ser uma Igreja samaritana", afirma.
Vatican News - “Que a Quaresma e a Campanha da Fraternidade, inseparavelmente vividas, sejam para todo o Brasil um tempo em que se fortaleça o valor da vida, como dom e compromisso”: esses são os votos do Papa Francisco aos brasileiros por ocasião da abertura da Campanha da Fraternidade.
Este ano, o tema é “Fraternidade e vida, dom e compromisso”, com o lema “Viu e sentiu compaixão e cuidou dele”.
“Alegro-me que, há mais de cinco décadas, a Igreja do Brasil realize, no período quaresmal, a Campanha da Fraternidade, anunciando a importância de não separar a conversão do serviço aos irmãos e irmãs, sobretudo os mais necessitados”, escreve o Pontífice.
Citando trechos dos Evangelhos de Mateus e Lucas e documentos pontifícios como Laudato Si’ e Evangelii gaudium, Francisco recorda que a superação da globalização da indiferença só será possível se nos dispusermos a imitar o Bom Samaritano.
Esta Parábola nos indica três atitudes fundamentais: ver, sentir compaixão e cuidar. A Quaresma, escreve o Papa, “é um tempo em que a compaixão se concretiza na solidariedade”.
Francisco conclui pedindo a intercessão de Santa Dulce dos Pobres para que a “Quaresma e a Campanha da Fraternidade, inseparavelmente vividas, sejam para todo o Brasil um tempo em que se fortaleça o valor da vida, como dom e compromisso”.
..............................................................................................................................................................
Confira a mensagem na íntegra:
Queridos irmãos e irmãs do Brasil!
Iniciamos a Quaresma, tempo forte de oração e conversão em que nos preparamos para celebrar o grande mistério da Ressurreição do Senhor.
Durante quarenta dias, somos convidados a refletir sobre o significado mais profundo da vida, certo de que somente em Cristo e com Cristo encontramos resposta para o mistério do sofrimento e da morte. Não fomos criados para a morte, mas para a vida e a vida em plenitude, a vida eterna (cf. Jo 10,10).
Alegro-me que, há mais de cinco décadas, a Igreja do Brasil realize, no período quaresmal, a Campanha da Fraternidade, anunciando a importância de não separar a conversão do serviço aos irmãos e irmãs, sobretudo os mais necessitados. Neste ano, o tema da Campanha trata justamente do valor da vida e da nossa responsabilidade de cuidá-la em todas as suas instâncias, pois a vida é dom e compromisso; é presente amoroso de Deus, que devemos continuamente cuidar. De modo particular, diante de tantos sofrimentos que vemos crescer em toda parte, que “provocam os gemidos da irmã terra, que se unem os gemidos dos abandonados do mundo, com um lamento que reclama de nós outro rumo” (Carta Enc. Laudato Si’, 53), somos chamados a ser uma Igreja samaritana (cf. Documento de Aparecida, 26).
Por isso, estejamos certos de que a superação da globalização da indiferença (cf. Exort. Ap. Evangelii gaudium, 54) só será possível se nos dispusermos a imitar o Bom Samaritano (cf. Lc 10, 25-37). Esta Parábola, que tanto nos inspira a viver melhor o tempo quaresmal, nos indica três atitudes fundamentais: ver, sentir compaixão e cuidar. À semelhança de Deus, que ouve o pedido de socorro dos que sofrem (cf. Sl 34,7), devemos abrir nossos corações e nossas mentes para deixar ressoar em nós o clamor dos irmãos e irmãs necessitados de serem nutridos, vestidos, alojados, visitados (cf. Mt 25, 34-40).
Queridos amigos, a Quaresma é um tempo propício para que, atentos à Palavra de Deus que nos chama à conversão, fortaleçamos em nós a compaixão, nos deixemos interpelar pela dor de quem sofre e não encontra quem o ajude. É um tempo em que a compaixão se concretiza na solidariedade, no cuidado. “Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia” (Mt 5,7)!
Por intercessão de Santa Dulce dos Pobres, que tive a alegria de canonizar no passado mês de outubro e que foi apresentada pelos Bispos do Brasil como modelo para todos os que veem a dor do próximo, sentem compaixão e cuidam, rogo ao Deus de Misericórdia que a Quaresma e a Campanha da Fraternidade, inseparavelmente vividas, sejam para todo o Brasil um tempo em que se fortaleça o valor da vida, como dom e compromisso.
Envio a todos e cada um a Bênção Apostólica, pedindo que nunca deixem de rezar por mim.
Vaticano, 26 de fevereiro de 2020 
................................................................................................................................................................
Assista:
...............................................................................................................................................................
                                                                                                                Fonte: vaticannews.va

terça-feira, 25 de fevereiro de 2020

Papa na missa desta manhã:

Na Igreja, o maior é quem serve, não quem tem mais títulos
Na missa celebrada na Casa Santa Marta, o Papa comentou a briga dos apóstolos para saber que é o mais importante. Francisco recordou que a mundanidade é inimiga de Deus porque o Senhor exorta à humildade.
Debora Donnini – Cidade do Vaticano - Não se pode viver o Evangelho fazendo conchavos; do contrário, se acaba com o espírito do mundo, que visa o domínio dos outros e é “inimigo de Deus”.
A reflexão do Papa na homilia desta manhã na Casa Santa Marta (25/02) partiu do trecho do Evangelho do dia (Mc 9,30-37), no qual Jesus diz aos Doze que se alguém quiser ser o primeiro, deve ser o último e servidor de todos. Jesus sabia que, ao atravessar a Galiléia, os discípulos haviam discutido entre si sobre quem seria o maior “por ambição”. Esta briga dizendo “eu tenho que caminhar à frente, eu tenho que avançar”, explicou o Papa, é o espírito do mundo. Mas também a Primeira Leitura de hoje (Tg 4, 1-10) ressalta este aspecto, quando o apóstolo Tiago recorda que o amor pelo mundo é inimigo de Deus.
Esta ânsia de mundanidade, esta ânsia de ser mais importante do que os outros e dizer: “Não! Eu mereço isto, não aquela pessoa”. Isso é mundanidade, este é o espírito do mundo e quem respira este espírito, respira a inimizade de Deus. Jesus, em outro trecho, diz aos discípulos: “Ou estão comigo ou contra mim”. Não há conchavos no Evangelho. E quando alguém quer viver o Evangelho fazendo conchavos, no final se encontra com o espírito mundano, que sempre busca pactos para galgar mais, para dominar, para ser maior.
A inveja é um caruncho que leva à destruição
Tantas guerras e tantas brigas acontecem por causa de desejos mundanos, de paixões, afirma o Papa, referindo-se ainda às palavras de São Tiago. É verdade, “hoje todo o mundo é semeado por guerras. Mas e as guerras entre nós? Como aquela que havia entre os apóstolos: quem é o mais importante?”, questionou Francisco:
Olhem a carreira que eu fiz: agora não posso ir para trás!”. Este é o espírito do mundo e isso não é cristão. “Não! É a minha vez! Eu tenho que ganhar mais para ter mais dinheiro e mais poder”. Este é o espírito do mundo. E depois a malvadeza das intrigas: a fofoca. De onde vem? Da inveja. O maior invejoso é o diabo, a gente sabe, a Bíblia o diz. Da inveja. Por inveja do diabo o mal entra no mundo. A inveja é um caruncho que leva a destruir, a falar mal, a aniquilar o outro.
Na Igreja, o maior é quem serve
No diálogo dos discípulos, havia todas essas paixões e, por isso, Jesus os repreende e os exorta a fazerem-se servidores de todos e a tomar o último lugar:
Quem é o mais importante na Igreja? O Papa, os bispos, os monsenhores, os cardeais, os párocos das paróquias mais belas, os presidentes das associações de leigos? Não! O maior na Igreja é quem se faz servidor de todos, quem serve a todos, não quem tem mais títulos. E para explicar isso, pegou uma criança, a colocou no meio deles e, abraçando-a com ternura – porque Jesus falava assim, tinha tanta ternura – disse a eles: “Quem acolher em meu nome uma destas crianças, é a mim que estará acolhendo”, isto é, quem acolhe o mais humilde, o mais servidor. Este é o caminho. O caminho contra o espírito do mundo é um só: a humildade. Servir os outros, escolher o último lugar, não galgar.
Portanto, não se deve “negociar com o espírito do mundo”, não é preciso dizer: “Tenho direito àquele lugar, porque olhem a carreira que eu fiz”. A mundanidade, com efeito, “é inimigo de Deus”. Ao invés, é preciso ouvir esta palavra “tão sábia” e encorajadora que Jesus diz no Evangelho: “Se alguém quiser ser o primeiro, que seja o último de todos e aquele que serve a todos!'”.
...............................................................................................................................................................
Assista:
...............................................................................................................................................................
                                                                                                                Fonte: vaticannews.va

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Série Preparação Litúrgica:

A Comunidade se prepara a Quaresma

A Igreja se aproxima da Quaresma e as comunidades, por meio de suas equipes de Liturgia, devem se preparar para este Tempo Litúrgico. São várias ações e cuidados que devem ser levados em consideração na caminhada rumo à Festa da Páscoa. O arcebispo de Pouso Alegre (MG) e membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB, dom José Luiz Majella Delgado, ofereceu várias indicações que podem auxiliar neste processo de preparação. Estas dicas serão publicadas na série “A comunidade se prepara para a Quaresma”.
Neste primeiro texto, o destaque é a preparação comunitária e das equipes de liturgia em vista deste tempo. O ponto de partida, como destaca dom Luiz Majella, é recordar que a Quaresma é “um tempo de preparação para a Pascoa do Senhor”, logo, “fazer programa quaresmal está voltado para a própria orientação da Igreja que propõe para nós jejum, oração e esmola. É um caminho de vida nova em Cristo”.
Dom José Luiz Majella Delgado | 
Foto: Emmanuelle Melo/reprodução Facebook
Os grupos de liturgia devem, eles próprios, iniciarem a preparação com a escuta da Palavra de Deus, por meio da Leitura Orante. Depois, os livros litúrgicos, o missal principalmente, devem ser estudados e refletidos. “No missal temos todos os elementos que nos orientam como celebrar o tempo da Quaresma e ater-se ao rito e às orientações que a Igreja passa para nós”, destaca dom Majella.
Os Roteiros Homiléticos oferecidos pela CNBB também podem ajudar na celebração por meio da reflexão da liturgia de cada domingo: “Neste roteiro nós temos elementos que vem nos ajudar a preparar bem as nossas celebrações”, afirma dom José Luiz.
O membro da Comissão para a Liturgia da CNBB também destaca o tempo da Quaresma como ocasião de dar atenção maior aos irmãos, o que pode ser concretizado através da Campanha da Fraternidade: “Este ano ela vem nos ajudar a viver a vida como dom e compromisso e busca como lema o Evangelho de Lucas, o episódio do Bom Samaritano, ‘Viu, sentiu compaixão e cuidou dele’”.
Esta proposta de conversão quaresmal por meio da Campanha da Fraternidade pode ser fortalecida através das reflexões contidas nos subsídios oferecidos pela CNBB, como destaca dom José Luiz: “que nos conduzem a boas celebrações da Palavra, da Penitencia em comunidade e a celebração da Via Sacra”.
O bispo ainda indica que estão disponíveis outros subsídios de preparação, mas “é interessante que a equipe estude antes de aplicar as orientações. A equipe precisa saber o que ela vai celebrar para que a assembleia celebre com a sua vida”. Dom José Luiz Majella Delgado ainda reforça: “Nós podemos preparar esse tempo com o coração aberto para a grande celebração da Páscoa”.
...............................................................................................................................................................
                                                   Fonte: cnbb.org.br       Banner inicial: arquidiocese-pa.org.br

Papa Francisco:

Quaresma é graça, não deixar passar este tempo em vão
Em sua mensagem, o Papa Francisco recordou a convocação para esta Quaresma de jovens economistas em Assis, de 26 a 28 de março, como um passo no processo de "conversão" da economia.
Bianca Fraccalvieri – Cidade do VaticanoUm diálogo coração a coração, de amigo a amigo com Jesus: é o que propõe o Papa Francisco na sua mensagem para a Quaresma 2020.
O título escolhido foi inspirado na 2ª carta de São Paulo aos Coríntios: “Em nome de Cristo, suplicamo-vos: reconciliai-vos com Deus” (2 Cor 5, 20).
Neste tempo quaresmal, o Pontífice estende a todos os cristãos o que escreveu aos jovens na Exortação apostólica Christus vivit: fixar os braços abertos de Cristo crucificado e deixar-se salvar sempre de novo. “A Páscoa de Jesus não é um acontecimento do passado: pela força do Espírito Santo é sempre atual e permite-nos contemplar e tocar com fé a carne de Cristo em tantas pessoas que sofrem.”
Face a face com o Senhor
Francisco insiste numa contemplação mais profunda do Mistério pascal, recordando que a experiência da misericórdia só é possível “face a face” com o Senhor crucificado e ressuscitado.
“Um diálogo coração a coração, de amigo a amigo. Por isso mesmo, é tão importante a oração no tempo quaresmal. Antes de ser um dever, esta expressa a necessidade de corresponder ao amor de Deus, que sempre nos precede e sustenta.”
De fato, prossegue o Papa, o cristão reza ciente da sua indignidade de ser amado. A oração poderá assumir formas diferentes, mas o que conta verdadeiramente aos olhos de Deus é que ela escave dentro de cada um de nós, chegando a romper a dureza do nosso coração, para o converter cada vez mais a Ele e à sua vontade.
Quanto mais nos deixarmos envolver pela sua Palavra, tanto mais conseguiremos experimentar a sua misericórdia gratuita por nós. O convite do Pontífice, portanto, é não deixar passar em vão este tempo de graça, na presunçosa ilusão de sermos nós o dono dos tempos e modos da nossa conversão a Ele.
Não interromper o diálogo com o Senhor
Esta nova oportunidade, prossegue Francisco, deve suscitar em nós um sentido de gratidão e sacudir-nos do torpor em que nos encontramos, às vezes estimulados por um “uso pervertido” dos meios de comunicação
“Não obstante a presença do mal, por vezes até dramática, tanto na nossa existência como na vida da Igreja e do mundo, este período que nos é oferecido para uma mudança de rumo manifesta a vontade tenaz de Deus de não interromper o diálogo de salvação conosco.”
Colocar o Mistério pascal no centro da vida, acrescenta o Papa, significa sentir compaixão pelas chagas de Cristo crucificado presentes nas inúmeras “vítimas inocentes das guerras, das prepotências contra a vida desde a do nascituro até à do idoso, das variadas formas de violência, dos desastres ambientais, da iníqua distribuição dos bens da terra, do tráfico de seres humanos em todas as suas formas e da sede desenfreada de lucro, que é uma forma de idolatria”.
Encontro de Assis
Para reverter este cenário, Francisco chama em causa a partilha na caridade e uma nova maneira de gerir a economia, mais justa e inclusiva, recordando a convocação para esta Quaresma de jovens economistas em Assis, de 26 a 28 de março. O magistério da Igreja nos lembra que a política é uma forma eminente de caridade.
O Papa então conclui:
“Invoco a intercessão de Maria Santíssima sobre a próxima Quaresma, para que acolhamos o apelo a deixar-nos reconciliar com Deus, fixemos o olhar do coração no Mistério pascal e nos convertamos a um diálogo aberto e sincero com Deus. Assim, poderemos tornar-nos aquilo que Cristo diz dos seus discípulos: sal da terra e luz do mundo.”
......................................................................................................................................................................



Texto integral do Papa Francisco para a Quaresma de 2020:
MENSAGEM DO SANTO PADRE
para a Quaresma de 2020
«Em nome de Cristo, suplicamo-vos: reconciliai-vos com Deus» (2 Cor 5, 20)
Queridos irmãos e irmãs!
O Senhor concede-nos, também neste ano, um tempo propício para nos prepararmos para celebrar, de coração renovado, o grande Mistério da morte e ressurreição de Jesus, perne da vida cristã pessoal e comunitária. Com a mente e o coração, devemos voltar continuamente a este Mistério. Com efeito, o mesmo não cessa de crescer em nós na medida em que nos deixarmos envolver pelo seu dinamismo espiritual e aderirmos a ele com uma resposta livre e generosa.
1. O Mistério pascal, fundamento da conversão
A alegria do cristão brota da escuta e receção da Boa Nova da morte e ressurreição de Jesus: o kerygma. Este compendia o Mistério dum amor «tão real, tão verdadeiro, tão concreto, que nos proporciona uma relação cheia de diálogo sincero e fecundo» (Francisco, Exort. ap. Christus vivit, 117). Quem crê neste anúncio rejeita a mentira de que a nossa vida teria origem em nós mesmos, quando na realidade nasce do amor de Deus Pai, da sua vontade de dar vida em abundância (cf. Jo 10, 10). Se, pelo contrário, se presta ouvidos à voz persuasora do «pai da mentira» (Jo 8, 44), corre-se o risco de precipitar no abismo do absurdo, experimentando o inferno já aqui na terra, como infelizmente dão testemunho muitos acontecimentos dramáticos da experiência humana pessoal e coletiva.
Por isso, nesta Quaresma de 2020, quero estender a todos os cristãos o mesmo que escrevi aos jovens na Exortação apostólica Christus vivit: «Fixa os braços abertos de Cristo crucificado, deixa-te salvar sempre de novo. E quando te aproximares para confessar os teus pecados, crê firmemente na sua misericórdia que te liberta de toda a culpa. Contempla o seu sangue derramado pelo grande amor que te tem e deixa-te purificar por ele. Assim, poderás renascer sempre de novo» (n. 123). A Páscoa de Jesus não é um acontecimento do passado: pela força do Espírito Santo é sempre atual e permite-nos contemplar e tocar com fé a carne de Cristo em tantas passoas que sofrem.
2. Urgência da conversão
É salutar uma contemplação mais profunda do Mistério pascal, em virtude do qual nos foi concedida a misericórdia de Deus. Com efeito, a experiência da misericórdia só é possível «face a face» com o Senhor crucificado e ressuscitado, «que me amou e a Si mesmo Se entregou por mim» (Gl 2, 20). Um diálogo coração a coração, de amigo a amigo. Por isso mesmo, é tão importante a oração no tempo quaresmal. Antes de ser um dever, esta expressa a necessidade de corresponder ao amor de Deus, que sempre nos precede e sustenta. De facto, o cristão reza ciente da sua indignidade de ser amado. A oração poderá assumir formas diferentes, mas o que conta verdadeiramente aos olhos de Deus é que ela escave dentro de nós, chegando a romper a dureza do nosso coração, para o converter cada vez mais a Ele e à sua vontade.
Por isso, neste tempo favorável, deixemo-nos conduzir como Israel ao deserto (cf. Os 2, 16), para podermos finalmente ouvir a voz do nosso Esposo, deixando-a ressoar em nós com maior profundidade e disponibilidade. Quanto mais nos deixarmos envolver pela sua Palavra, tanto mais conseguiremos experimentar a sua misericórdia gratuita por nós. Portanto não deixemos passar em vão este tempo de graça, na presunçosa ilusão de sermos nós o dono dos tempos e modos da nossa conversão a Ele.
3. A vontade apaixonada que Deus tem de dialogar com os seus filhos
O facto de o Senhor nos proporcionar uma vez mais um tempo favorável para a nossa conversão, não devemos jamais dá-lo como garantido. Esta nova oportunidade deveria suscitar em nós um sentido de gratidão e sacudir-nos do nosso torpor. Não obstante a presença do mal, por vezes até dramática, tanto na nossa existência como na vida da Igreja e do mundo, este período que nos é oferecido para uma mudança de rumo manifesta a vontade tenaz de Deus de não interromper o diálogo de salvação connosco. Em Jesus crucificado, que Deus «fez pecado por nós» (2 Cor 5, 21), esta vontade chegou ao ponto de fazer recair sobre o seu Filho todos os nossos pecados, como se houvesse – segundo o Papa Bento XVI – um «virar-se de Deus contra Si próprio» (Enc. Deus caritas est, 12). De facto, Deus ama também os seus inimigos (cf. Mt 5, 43-48).
O diálogo que Deus quer estabelecer com cada homem, por meio do Mistério pascal do seu Filho, não é como o diálogo atribuído aos habitantes de Atenas, que «não passavam o tempo noutra coisa senão a dizer ou a escutar as últimas novidades» (At 17, 21). Este tipo de conversa, ditado por uma curiosidade vazia e superficial, carateriza a mundanidade de todos os tempos e, hoje em dia, pode insinuar-se também num uso pervertido dos meios de comunicação.
4. Uma riqueza que deve ser partilhada, e não acumulada só para si mesmo
Colocar o Mistério pascal no centro da vida significa sentir compaixão pelas chagas de Cristo crucificado presentes nas inúmeras vítimas inocentes das guerras, das prepotências contra a vida desde a do nascituro até à do idoso, das variadas formas de violência, dos desastres ambientais, da iníqua distribuição dos bens da terra, do tráfico de seres humanos em todas as suas formas e da sede desenfreada de lucro, que é uma forma de idolatria.
Também hoje é importante chamar os homens e mulheres de boa vontade à partilha dos seus bens com os mais necessitados através da esmola, como forma de participação pessoal na edificação dum mundo mais justo. A partilha, na caridade, torna o homem mais humano; com a acumulação, corre o risco de embrutecer, fechado no seu egoísmo. Podemos e devemos ir mais além, considerando as dimensões estruturais da economia. Por este motivo, na Quaresma de 2020 – mais concretamente, de 26 a 28 de março –, convoquei para Assis jovens economistas, empreendedores e transformativos, com o objetivo de contribuir para delinear uma economia mais justa e inclusiva do que a atual. Como várias vezes se referiu no magistério da Igreja, a política é uma forma eminente de caridade (cf. Pio XI, Discurso à FUCI, 18/XII/1927). E sê-lo-á igualmente ocupar-se da economia com o mesmo espírito evangélico, que é o espírito das Bem-aventuranças.
Invoco a intercessão de Maria Santíssima sobre a próxima Quaresma, para que acolhamos o apelo a deixar-nos reconciliar com Deus, fixemos o olhar do coração no Mistério pascal e nos convertamos a um diálogo aberto e sincero com Deus. Assim, poderemos tornar-nos aquilo que Cristo diz dos seus discípulos: sal da terra e luz do mundo (cf. Mt 5, 13.14).
Franciscus
Roma, em São João de Latrão, 7 de outubro de 2019,
Memória de Nossa Senhora do Rosário.
...............................................................................................................................................................
                                                                                                                Fonte: vaticannews.va